sexta-feira, 22 de abril de 2011

Humor TecnoTiras(1) - Pra que serve a tecnologia?

Para orientar no deserto...

 Para te dar a cantada perfeita...

Para encontrar um sentido...

 Para conhecer caráter: oO


Para dar um alô... 

Pra cultivar imaginaçao...

Esta é só a parte um, aguarde que vem mais.
Gostou, add nos seus favoritos e comenta!!!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

5 mitos sobre tecnologias futuras - Parte 1

Este é um post que retirei do site HowStuffWorks(como tudo funciona), achei muito interessante e vou tentar abordá-lo mais detalhadamente em 5 posts diferentes. São os 5 mitos sobre tecnologias futuras:

1. Carro Voador

5. Dirigiremos carros voadores em breve ?

O carro voador vem sendo profetizado há décadas. É um dos cálices sagrados da sociedade utópica futurista, onde todos andam pra lá e para cá no ar e aterrissam facilmente, silenciosamente e de forma segura onde quer que queiram.
O Moller Sky Car, que pousa e decola verticalmente, vai custar inicialmente US$ 1 milhão
Moller / Divulgação
O Moller Skycar, que pousa e decola verticalmente, vai custar inicialmente US$ 1 milhão

Você provavelmente já viu vídeos de protótipos de carros voadores, decolando do solo, pairando no ar e possivelmente batendo. Mas o primeiro "autoplano" foi revelado, na verdade, em 1917, e muitos esforços similares o seguiram. Henry Ford predisse que o carro voador estava chegando - em 1940 - e, desde então, houve numerosos falsos alarmes.
Há uma década já no século 21, não parecemos estar nem um pouco perto, apesar do que você possa ter lido em alguns blogs de gadgets. Como os recursos financeiros secaram, a Nasa abandonou seu concurso para inventores criarem um "Veículo Aéreo Pessoal", e não há outra agência governamental, exceto talvez a secreta DARPA, pronta para tomar as rédeas do projeto.
O TerraFugia, modelo que sairá este ano a cerca de US$ 200 mil, assista vídeos ao fim do post
Há simplesmente muitos desafios no caminho de um carro voador largamente adotado. Custo, rotas de vôo e regulamentações, segurança, uso potencial no terrorismo, eficiência de combustível, treinamento de pilotos/motoristas, pouso, barulho, oposição das indústrias de automóveis e transportes - todos parados no caminho de um legítimo carro voador. Também esses veículos provavelmente terão de ser capazes de operar como carros em ruas/rodovias normais, impondo outro desafio logístico.
Na verdade, muitos dos assim chamados carros voadores que estão sendo apregoados como a coisa real são simplesmente aeronaves que rodam - um tipo híbrido de avião/carro que não é capaz de, digamos, fazer uma viagem curta para deixar os filhos na escola. Mais, eles são muuuuuito caros. Um veículos desses, o Terrafugia Transition, marcado para ser lançado este ano, custará cerca de US$ 200 mil.
Vídeos, fotos e Informações Adicionais

  • Moller Skycar




Veja o "voador trabalhando".

  • Terrafugia
"Barato"(relativamente) e maravilhoso! Confira e post suas conclusões!!!

    Fotos





    Gostou? Então posta e acesse diariamente! Muito conteúdo para você, aguarde a próxima!

    domingo, 17 de abril de 2011

    Microrrobôs estão quase prontos para atuar no corpo humano

    Para simplificar o projeto, os robôs não têm sistema próprio de locomoção, sendo guiados por campos magnéticos externos. Na foto, o microrrobô aparece ao lado de uma mosca, para comparação das dimensões. 


    Robôs no corpo humano

    Viagem Fantástica, um clássico da ficção científica, colocou os nanorrobôs no imaginário popular décadas antes que se ouvisse pela primeira vez o termo nanotecnologia.

    Desde então, cientistas têm-se inspirado no filme para projetar robôs microscópicos que, no futuro, possam entrar no interior do corpo humano e fazer cirurgias e tratamentos em nível molecular.

    Esse futuro está ainda distante, mas a equipe do Dr. Brad Nelson, do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, está firme nesse propósito.

    Eles apresentaram a última versão de seus microrrobôs, que já têm o tamanho suficiente para fazer cirurgias em moscas.

    Robô no olho

    Com apenas um terço de milímetro de largura, o microrrobô é apresentado pelos pesquisadores como um passo efetivo no projeto de desenvolver máquinas capazes de levar medicamentos até os pontos específicos onde eles são necessários, evitando o risco de efeitos colaterais, e de efetuar pequenas cirurgias.

    Além de cirurgias cardíacas, os pesquisadores pretendem voltar o desenvolvimento de seus microrrobôs médicos para a remoção seletiva de tecidos tumorais.

    Mas os primeiros testes planejados em humanos será na aplicação de medicamentos para tratar doenças nos olhos, especificamente na etapa pós-cirúrgica de doenças da retina.

    Batalhão de robôs

    Para simplificar o projeto, os robôs não têm sistema próprio de locomoção, sendo guiados por campos magnéticos externos.

    Como cada robô atende a uma única frequência de ressonância, vários deles podem operar no mesmo lugar.

    Eles se deslocam de forma muito precisa seguindo os gradientes de um campo magnético, que pode ser modulado individualmente para cada robô.

    Em teoria, garantem os pesquisadores, este princípio de locomoção pode guiar todo um batalhão de minúsculos robôs cirurgiões através do corpo.

    Talvez o conceito de cirurgia minimamente invasiva precise mudar de nome, mas a ideia é que todo esse batalhão de micro ou nanorrobôs seja inserido no corpo humano - uma autêntica invasão - por meio da agulha de uma seringa. Ao final da cirurgia, eles poderão ser trazidos de volta e recapturados por uma minúscula incisão.